Como anunciar nas mídias digitais – compra e monitoramento

O crescimento continuado do número de pessoas que acessam a internet e as redes sociais tem incentivado muitas empresas de diferentes áreas e setores a buscarem estar presentes nesses meios. Mas além de contar com um site próprio, criar perfis nas redes sociais, como Facebook, Orkut, LinkedIn, Twitter, entre outros,  e alimentá-los constantemente com conteúdos interessantes para o público, é também cada vez mais importante que essas empresas incluam, no seu planejamento de comunicação, formas de anunciar nos diversos meios digitais.

Para isso é preciso, inicialmente, desenvolver um planejamento estratégico e trabalhar, de preferência, com sua agência de publicidade. Há inúmeras possibilidades, a começar por um banner para ser veiculado nos sites mais conhecidos ou mesmo em sites de nicho como, por exemplo, o site da revista arquitetura e construção, da editora abril que é voltado para arquitetos, decoradores e estudantes. Ou ainda podem ser feitas alternativas como vídeos a serem postados no YouTube, links patrocinados nos buscadores (Google, Bing e Yahoo), blogs e nas diversas redes sociais.

Seja qual for o veículo, canal ou formato definido, é preciso pensar também no modelo de compra desta mídia. E aí as opções são bem variadas. Os tipos mais empregados são o CPM (custo por mil impressões), em que o custo do anúncio será definido com base na quantidade de impressões (exibições) alcançadas e o CPC (custo por clique) no qual o anunciante pagará apenas quando o usuário clicar no seu anúncio; este último é utilizado, principalmente, nos links patrocinados e nos grandes portais, como MSN, Yahoo, Terra e IG. Além desses há também a compra de faixa horária/diária e o patrocínio, no qual o anunciante sabe exatamente o dia e horário que sua comunicação será divulgada,  o CPA (custo por aquisição) no qual o anunciante só pagará quando o visitante fizer uma ação específica, como preencher um cadastro, download de um jogo, inscrever-se em um curso, etc e o modelo utilizado especificamente para os formatos de vídeo, que é o CPV (custo por visualização) no qual a mídia será paga quando o usuário tiver assistido 30 segundos ou mais do vídeo. Surge agora também o CPV (custo por valor), que gera mais assertividade, pois o pagamento está atrelado à geração direta de resultados ao cliente.

Outro ponto importante que precisa ser pensado está relacionado à gestão e monitoramento dos resultados da campanha, que poderá ser feito de forma manual, no qual a agência ou o cliente dependem das informações enviadas pelos veículos (o que normalmente ocorre somente após o encerramento da campanha publicitária), para analisar os resultados e propor mudanças para a próxima campanha, se necessário. O outro formato de gestão é o uso de adserver, que é um software contratado exclusivamente para gerir campanhas online, no qual a agência ou o cliente podem obter os dados de forma padronizada, a qualquer momento, permitindo uma tomada de decisão de forma mais ágil.

Os principais dados utilizados para a análise do desempenho da campanha digital são: CTR (click through rate), que indica a taxa de interesse do seu público por mais informações sobre o produto ou oferta divulgada – sendo que essa informação pode ser obtida por veículo e formato onde é possível identificar os que são mais eficazes. Taxa de Conversão, que indica o quanto aquele anúncio influenciou na venda de determinado produto ou serviço. E finalmente, o CPM (custo por mil usuários impactados), que indica a razão entre o número de investimentos em mídia e o número de usuários impactados durante a campanha.

É uma lição de casa um tanto trabalhosa, mas indispensável para as empresas que desejam não apenas participar desses novos canais, mas inclusive obter resultados compensadores para vender e promover seus produtos ou serviços e, de quebra, conquistar e fidelizar os consumidores tradicionais e, principalmente, os potenciais.

*Sandra Turchi é consultora e palestrante sobre em Marketing Digital e E-commerce. Leciona no MBA da FGV em Marketing Digital e coordena diversos cursos na área digital da ESPM-SP. Atua como profissional de Marketing há mais de 20 anos onde  foi executiva de grandes empresas. Bacharel em Administração de Empresas pela FEA/USP, pós-graduada pela FGV/EAESP, possui MBA pela Business School SP com a Toronto University e estudou empreendedorismo na Babson College de Boston.

**Renata Benigna atua como profissional de Mídia Online e Offline no segmento de telecomunicações e é especialista em Marketing Digital. Graduada em Engenharia Civil pela UNIP, com pós-graduação em Administração em Marketing pela FAAP e Comunicação com o Mercado pela ESPM.

Fonte: Mundo do Marketing

Anúncios

Uma resposta para “Como anunciar nas mídias digitais – compra e monitoramento

  1. Ótimo post!
    Embora o simples fato de estar na mídia social já seja um auxílio na divulgação – visto que as pessoas indicam aos conhecidos e os tais conhecidos aceitam muito bem o conselho e o repassam para outros -, é necessário fazer um investimento nesse meio de publicidade da mesma maneira que se faria em uma revista, jornal, televisão ou outdoor, afinal é indispensável o profissionalismo e a seriedade para que um negócio dê certo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s