Neoconsumidor está mais racional para comprar

96% dos internautas brasileiros adquirem produtos pela internet, aponta estudo da Gouvêa de Souza

O Neoconsumidor está mais digital, mais global e mais multicanal. O conceito de novo consumidor trazido para o Brasil em 2009 pela GS&MD Gouvêa de Souza como tendência se consolidou e mostra um ingrediente a mais agora em 2011. O perfil de quem consome hoje pela internet é o de pessoas que racionalizam o processo de compra. Elas estão de olho, sobretudo, no preço, aponta a segunda onda da pesquisa realizada pela consultoria.

De acordo com o estudo feito com 700 pessoas no Brasil e outras 10.500 no mundo em parceria com o Ebeltoft Group, que será apresentado no DIGITAILING – 1º Fórum Internacional de Varejo Digital, no próximo dia 23, 96% dos internautas brasileiros já realizaram compras pela internet, ante uma média mundial de 90%, incluindo países como Estados Unidos, Inglaterra e França. Além de comprar em lojas virtuais com operação local, 45% dos usuários no país já adquiriram roupas, eletroeletrônicos e perfumes em outros países.

Maior velocidade de conexão – embora o Brasil tenha 1,9 mega de velocidade média diante de 93 do Japão –, mais informações, variedade e opções de compra, maior integração de canais e a mobilidade forjam o cenário para um neoconsumidor elevado ao cubo, novo conceito defendido pela Gouvêa de Souza. “Essas características sugerem que o consumidor está mais racional ao fazer uma compra”, afirma Luis Goes, coordenador do estudo.

Classe C tem comportamento único
Embora haja maior opção de canais de venda, o Brasil ainda tem muito a caminhar na questão multicanal. A maioria dos internautas brasileiros (84%) faz pesquisa online – 81% utilizam sites de comparação de preço – e compra na loja física, enquanto 64% compram pela web e recebem em casa. Globalmente, 52% deles são homens, 88% têm entre 19 e 54 anos, 61% são da Classe B e 23% da Classe C.

No Brasil, a Classe C tem um perfil particular. Trinta e sete por cento são mais assertivos na compra pela internet, enquanto a média é de 29% no país e 23% no mundo. “Isso quer dizer que essas pessoas sabem o que querem e onde vão comprar”, analisa Goes. “Isso acontece também porque elas não podem errar na escolha”, completa o sócio-diretor da Gouvêa de Souza.

Entre os 4% dos internautas que não compram pelos meios digitais, 59% dizem preferir tocar o produto. “Uma boa ferramenta para minimizar este problema é usar realidade aumentada”, sugere Goes. Para 41% das pessoas, o receio de não receber o que comprou é um ponto negativo. “Esse índice ainda é alto porque teve gente que comprou no Natal e só recebeu em fevereiro”, lembra. Há ainda quem tenha medo de perder dinheiro, com 48% das pessoas que não querem passar informações bancárias.

Compra de tudo pela internet
A pesquisa traz números que indicam o aumento de compras de itens não tradicionais pela internet. Em 2009, 28% dos neoconsumidores compravam alimentos online. Este ano, o índice subiu para 34%. Vestuário, calçados e acessórios também apresentaram crescimento. Ainda que pese a disparidade de tamanhos e medidas, 43% das pessoas adquiriram roupas e calçados em 2011, contra 22% há três anos. No setor de cosméticos, 51% dos brasileiros passaram a comprar pela web em 2011, contra 29% em 2009. O campeão de vendas são os eletrônicos, comprados online por 76% este ano, ante 56% na primeira onda da pesquisa.

Quando o assunto é mobilidade, o Brasil ainda não está familiarizado com a compra mobile, embora 35% dos entrevistados acreditem que o pagamento móvel é o futuro. A barreira para a transação pelo celular, no entanto, pode ser transposta em pouco tempo, uma vez que 49% das pessoas conectadas acessam a internet pelo celular. O que já entrou para o dia a dia dos consumidores online no país é o fenômeno das compras coletivas.

Metade dos brasileiros entrevistados pela pesquisa (51%) já utilizaram a compra coletiva, enquanto apenas 1% não conhece o modelo. Dos que ainda não compraram cupons, 90% pretendem adquirir. Bem menos que a pretensão de compra de 65% em outros países. “Isso tem muito menos a ver com dinheiro do que com cultura”, pondera Goes. “No Brasil, priorizamos o coletivismo, enquanto em outros países o que impera é o individualismo”. Que o digam as redes sociais, onde o Brasil é um dos campeões de acesso.

Fonte: Mundo do Marketing

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s